#ForçaChape

chapecoense

29 Novembro, 2016                                                          Esquerda Online

Laura fazia uma brincadeira com o Pai, uma entrevista de perguntas e respostas relâmpago. Qual é sua cor favorita? Vermelho. Qual é seu herói favorito? Spartacus. Qual é sua frase favorita? “Nada que é humano me é estranho.” A frase do filósofo Romano Terêncio era a preferida de Karl Marx.

Nada que é humano nos é estranho. É por isso que nosso editorial de hoje é uma homenagem aos 75 mortos da tragédia que ocorreu nesta noite com o time chapecoense. O voo da empresa Lamia, transportava 9 tripulantes e 72 passageiros. Além dos atletas ao menos 22 jornalistas da FOX TV, da Globo e da RBS estavam à bordo.

O pequeno time sonhava grande. A Associação Chapecoense de Futebol nasceu em 1973, há três anos quase deixou de existir, não tinham campo de treino, nem academia de ginásticas, muitos jogadores não iam treinar de carro, se transportavam de ônibus.

O Furacão da Oeste subiu para a primeira divisão em 2014. Nesta quarta feira, dia 30 seria o dia de glória do time da cidade do oeste de Santa Catarina. Já era uma vitória. O chapecoense chegou à final da Copa Sul Americana. Seria sua primeira final internacional. E podia vencer.

O adversário em campo seria o Atlético Nacional de Medellín reconhecido pela Fifa como um dos times clássicos do futebol. Fundado em 1947, o Atlético Nacional, conhecido como os verdolagas, tem uma das maiores torcidas da Colômbia. Acumulou 15 títulos. Seria uma disputa entre Davi e Golias.

O acidente

A tragédia ocorreu no final do percurso nas imediações da montanha El Gordo, já próximo ao Aeroporto José María Córdova de Medellín. O avião era um Avro Regional Jet 85, um avião pequeno, que partia da Bolívia para Colômbia. A empresa Lamia é Venezuelana, mas opera na Bolívia. Por volta das 22 horas no horário da Colômbia, 01:00 de Brasília o avião reportou falhas técnicas para a torre. As causas do acidente ainda não são conhecidas.

O plano original era que o voo fosse direto de Guarulhos para Medellín, mas a Anac não permitiu que um voo fretado por uma empresa estrangeira voasse desde Guarulhos. Então o time foi num voo comercial até Santa Cruz de La Sierra na Bolívia e de lá pegou o avião fretado da empresa Lamia, que os levaria para a final na Colômbia.

Os jogadores, jornalistas, torcedores e todos os familiares que hoje sofrem com esta enorme perda humana tem toda nossa solidariedade. Força Chape. Nada que é humano nos é estranho.

Foto: Portal R7.

Link reduzido da notícia (Short Link): http://www.maceio.com.br/Lwh4l